Dor de mãe

Quanto sofrimento nessa perda de Irene. JESUS! Me acabei de chorar. Ela sabia que correria esse risco, ainda mais que pressentia a insegurança de Diana quanto a doação, mas – como ela mesma disse – fechou os olhos para essa possibilidade e se agarrou a esperança que daria tudo certo. Não deu. E agora? Como encontrar o caminho de volta para vida dela? Ou melhor, como encontrar o caminho para uma nova vida? Porque depois dessa intensa experiência (de ganhar e perder a filha) ela é outra mulher. E ninguém nesse momento tem o que dizer. Afinal, o que falar nessas horas? O jeito é viver essa profunda tristeza e tentar sair dela pelo menos respirando. E dar tempo ao tempo. Na outra ponto tem Diana. Não será nada fácil para ela também.

E qual será o desfecho dessa história? Como eu gostaria que fosse: o chefe dará o braço a torcer e reconhecerá que Irene é a única que está altura de assumir a mega conta da empresa; mesmo deprimida, ela aceitará o desafio. E com o trabalho ela consegue seguir em frente.  Um belo dia, ela recebe uma ligação da assistente social informando que tem uma criança que precisa de um lar, mas que não é bebê. É um menino (provavelmente negro :/) com dois anos. Tchan, tchan, tchaaan Ela fica surpresa, afinal não tinha se dado conta que permanecia na fila de espera para adoção, mas não hesita nem um minuto e diz: eu quero ser mãe desse menino! Já Diana será uma mãe dedicada e mesmo com os percalços financeiros será feliz ao lado da filha. E sabendo que Irene superou a perda de Dora, irá convida-la para ser madrinha da menina. The End. 🙂

Outro que está precisando de um final feliz é Bernardo coitado. Eu sinceramente não entendo porque ele insiste em ser amigo de Pedro. No fundo Pedro não gosta tanto assim do meio-irmão. Sem contar que é o maior fofoqueiro. Esse papo de “fiz sem intenção”, “faço isso pro seu bem”… já deu! Ele, assim como Marlene, não considera e nem respeita o garoto. Trata o como um idiota. E que dia de cão ele teve! Depois de perder o ônibus e chegar esbaforido na casa de Elisa, a menina dá uma desculpa esfarrapada e manda ele ficar de molho até quando ela quiser, depois ouve a conversa entre Júlia e Laila num tom de debochada e de coitadinho; e para fechar com chave de ouro, a mãe vem com uma ótima notícia: Durval vai voltar a morar com eles. Qual foi o jeito? Se mandar para BH. Não sem antes ter dado uma dura em Pedro fifi: “eu não faço parte desse bando de gente maluca que fica tentando resolver o problema dos outros porque não tem coragem de olhar para seus próprios problemas”. Boa!

Por falar em dura, quem está precisando de um choque de realidade é Branca. É muita futilidade numa pessoa só. E como já comentei aqui, o mais grave é que ela acredita no que diz. Que não é nada demais caçoar de uma colega porque é gorda, que pedir desculpa é humilhação; e por aí vai. E com isso ela não se dá conta da deformidade moral que a filha pode ficar. Apesar que é exigir demais de uma pessoa como ela algum discernimento. Agora, vem briga por aí. Porque depois de ter uma consulta com Isabel (é a sensação que tenho quando eles estão conversando) uma questão foi levantada: por que não pedir a guarda compartilhada?

Saindo um pouco do núcleo dos irmãos, e Esther? Que mal-estar ela criou. Com Antônio e com Lúcia. O que não faltou foram palavras duras. Pelo jeito ela vai rever esse estilo de vida “meter a colher onde não é chamada”. Vacilou feio. Outro que está vacilando é Arthur. Ele e mãe são quase uma quadrilha. Quando Virgínia descobrir essa mentira não vai ter amor certo. A arquiteta boazinha vai virar uma onça. Escreve o que estou dizendo. Mulher que se sente enganada tem atitudes surpreendentes. kkk

E Marta e Eriberto escolhendo filme? Rendeu boas risadas. Esses dois não se entendem em nada. A novela está na reta final e agora é o momento de especular. O que acontecerá com esse casal? Será que eles viverão em harmonia com Renan e Marinhia? Ou será que Renan e Eriberto darão uma banana (com todo requinte, claro) para sociedade e viverão juntos? Talvez até essa aproximação de Esther seja uma luz para clarear o caminho de encontro desses dois.

Para finalizar, o beijo entre Elisa e Bernardo. Esperava mais, sabia? Não vi um retorno de Elisa. Afinal, um belo dia ela vai se tocar que gosta dele de verdade. Ou não? Não sei se é porque não vejo (ou não aceito) Elisa como modelo, a mulher inalcançável, a da capa da revista, mas não acho impossível o relacionamento entre eles. Já os irmãos se espantaram tanto. Nem foi só pela diferença de idade, eles seguiram a máxima: muita areia para seu caminhaozinho. kkkkk

PS. Ainda não assisti o capítulo de sábado porque não está disponível na globo.com. Ô, estagiário, qual o motivo? 🙁

Foto: TV Globo

 

Comentários

comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *