Um parêntese(ão)

Acho que estou muito sensível. Me emocionei na cena que Tereza está para sair com Jean e – toda insegura – pergunta mil vezes para Mia e Nice se ela está bem. Eis que surge Isabel. E como todos sabem, se quer ouvir a verdade verdadeira nua e crua, a pessoa para quem se deve perguntar é Isabel. E Tereza sabendo disse pergunta: “Então Isabel, estou bem?”.
A filha olha dos pés a cabeça, depois para Mia e Nice, faz suspende e responde: “Linda”. Tereza fica tão emocionada, que num momento raro de se ver, abraça Isabel e diz o quanto é valioso pra ela um elogio vindo da filha. Fiquei emocionada.

Agora, só estendendo um pouco esse parêntese, tenho notado que Isabel está quietinha, murchinha, falando pouco… um dia desses ela estava tomando café com a família, inclusive Luciana, e quase não falou. Só ficou ouvindo. Será que o comportamento constrangedor no dia do jantar de Jean deixou ela envergonhada por tanto tempo, ou será o amor que começou amolecer o coração dela?

Comentários

comentários

2 comentários em “Um parêntese(ão)”

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *