Dois em um

É tanta coisa para se falar desses dois últimos capítulos que não vou me deter a seguir a ordem cronológica.

Bernardo é rebelde. Mas acho que para por aí. Ele não tem jeito de vilãozinho. Acho que precisa de uma chamada, se sentir mais seguro com ele mesmo. Deve ser difícil entender que a escolha da mãe foi por preocupação. Afinal, ele foi para casa de estranhos. Mas a convivência com os irmãos, e principalmente com Vicente irá, na minha opinião, reverter esse modelo revoltadinho dele.  E um passo importante foi dado. O papo entre ele, Lígia e Vicente.

Quem sabe ele baixa mais a guarda. Acho que se Marlene já teve coragem de mandar o filho para o Rio deveria aguardar um pouco e não ir nesse momento para lá. Para ele criar laços com a nova família. Por falar nessa mãe desesperada, comovente a emoção dela quando Pedro a incluiu como família. Para alguém que sempre criou o filho só e não teve com quem compartilhar as responsabilidades, deve ser tocante ter esse apoio.

Agora, arranjar um emprego para ela será complicado. Marta mesmo malmente ouviu o pedido de Júlia. E a Guida, gente? Que medo é esse de perder o emprego? Não mexe uma palha para não se indispor com a irmã (se bem que com a insistência da filha ela disse que ajudaria). Eu mesma acho impossível ela ser o ponto chave da revelação para Júlia quanto a farsa da doação.

Mudando de núcleo: e a cara de satisfação de Irene aceitando a promoção? A mulher tem o direito de não “abraçar” a maternidade. Ter outras prioridades, mas no caso dela o que me incomoda é a falta de clareza quanto a isso. Caio não tem meias palavras quanto ao que quer, mas ela fica negociando prazo. Quase faz uma burrice declinando da promoção em prol de uma gravidez que ela não quer (pelo menos por enquanto). É triste o fim de um relacionamento, mas foi o melhor que aconteceu. Cada um pro seu lado.

Tristeza para uns e momento agarração para outros. O que foi aquilo entre Vicente e Lígia??? Você pensa que a cara que Lauro fez foi de “como vou estragar essa felicidade?”. Que nada. Foi de constrangido mesmo. Do tipo: Ô vão pro quarto. kkk

Mas falando sério, é claro que esse não é o momento de Lígia saber que Miguel está vivo; e eu imaginava que no ultimo minuto ele não falaria, mas ele estava tão seguro… ahh e foi engraçada a cena. E a desculpa dele? Se fosse comigo eu diria: Lauro, você não veio uma hora dessa para me falar de dívidas e documentos de Miguel. Ainda mais que ontem fui chorar no seu ombro que não queria mais me envolver com as papeladas dele. Fala logo pra quê veio. 🙂

Por falar na real, e Vicente avisando a mãe quanto a falta de comprometimento de Arthurzinho com as despesas da casa? Tão obcecada pelo filho. Como é incoerente o raciocínio de dona Iara. Acha um absurdo Vicente sustentar o filho de criação, mas acha normal bancar o irmão quarentão. Pior que existem mães assim… “cegas”. Até fiquei surpresa que ela não falou nada sobre Lígia largar o emprego.

E para finalizar, não teria como deixar passar o pedido de casamento de Edgar. Estou achando, na verdade desde o olhar sinistro que ele deu no aeroporto quando Júlia viajou com Pedro, que ele se tornará um vilão. Aquele tipo ciumento doentio, sabe? Bom, na hora do pedido ela fez uma cara de espanto e ainda por cima recebeu uma ligação. E não foi qualquer ligação. São os irmãos gêmeos. Aí que emoção… tá vendo, Edgar, até eu escrevendo sobre seu pedido me perdi e nem dei atenção. Ô, meu filho, desencanta.

Isso chamou minha atenção

Alguém reparou a mudança no cabelo de Marta? Em um minuto todo quadradão, feioso até e no momento seguinte… tcharan lindo. Queria ter esse toque mágico. Principalmente quando acordo. 🙂

 

Foto: Carolina Caminha

 

Comentários

comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *