O desenrolar da história

Com o ritmo corrido da novela o jeito é apelar para as rapidinhas. Vamos lá:

  • Guida se dando tão bem no trabalho e Marta melou tudo. A cara quando ela soube que a irmã conseguiu um emprego… deu medo. Mas essa história deve render.
  • Arthurzinho nasceu com o fiofó pro céu. A vida toda sustentado pelo irmão e com uma mãe bajuladora. Agora cai no colo dele uma mulher linda, rica e que gosto MESMO dele. Quem entende?
  • Nunca entendi o tempo de gestação de Diana. Logo quando ela surgiu na trama uma funcionária comentou que ela estava grávida de cinco meses. Quando a personagem apareceu de fato e não dava para ver a barriga, achei que tinha entendido errado. Sete capítulos depois Taís aparece grávida. Depois com barrigão e agora pariu e já está em casa. E Diana nadica de nada. Ela já deve estar com uns dois anos de gestação kkkk
  • De onde surgiu aquele escritório de Pedro, minha gente? O menino desde o início da novela que faz mestrado, doutorado e tudo que existe dentro do quarto. Me faça uma garapa. Deveria mostrar ele se desfazendo das quinquilharias do quarto para caber o berço. Isso sim.
  • E Vicente foi fisgado pelos ouvidos. A exótica Luísa mexeu e animou o produtor. Agora faltam duas paixões.  Uma para Lauro (quando Isabel resolver chutar o pau da barraca) e outra para Marina. kkkk
  • E senhor Aníbal? Coitado. Soraya só judia do pobre velhinho que está se achando o último biscoito do pacote. Pelo menos as cenas na portaria rendem boas risadas. Aquele porteiro é ótimo. 🙂 Azar para uns e sorte para outros. É o caso de Eriberto e Renan. Pura afinidade. São quase a nona sinfonia de Beethoven. Lindo de se ver.
  • Júlia é tão ingrata quando se diz sozinha no mundo. Ela tem uma tia que sempre a amparou e uma prima dedica e presente. Sem contar que pelo que consta teve um pai bacana também. Já gosta de se colocar como coitadinha. E o que dizer da vida profissional? Já quer largar o emprego. Ter dinheiro sobrando ajuda nessas horas. Ainda bem que Felipe está sempre por perto (café da manhã, almoço e jantar…) e a fez aceitar um novo projeto de restauração. E lá se foram seis meses, mas a barriga de Diana nada. kkkk
  • Como Lígia conseguiu a casa de volta? E ainda com todos os móveis… estava alugada? Até que demorou para ela – como grande jornalista – perceber que o encontro (e os percalços) dos meios-irmãos poderia render uma boa história. Tanto que rapidinho ela conseguiu um financiamento.
  • Gente, quem detonou a bolsa de Tais? Porque aquilo não foi romper nem aqui nem na China. Chegou a ser cômico. Ô God! Pra que tanto exagero. E Pedro no parto? Não é possível que Tais não se toque que a criatura não está nem aí para nada. Por mais que ele fale tudo soa tão artificial. Distante. Ela não é idiota. Só posso acreditar que por opção ela prefira ficar com ele nessas condições do que ficar sem ele.  Outra que está nessa vibe é Marina. Sabe que Miguel não quer nada sério, mas se meteu na vida do cara feito carrapato. É um relacionamento com o atestado para sofrimento pronto.
  • Por essa Pedro não esperava. Enquanto a mamãe dormia tranquila vinda da maternidade (só em novela mesmo) o papai cuidava do rebento. Tudo ia bem até que um certo 251 tocou a campainha. Só espero que Pedro não dê piti como de costume para não assustar o bebê.
  • E o destaque do semana vai para…. a ala dos figurantes. O primeiro na reunião da ONG com Lauro e Miguel. O rapaz fazendo cara de: mãe, estou na TV. Muito engraçado. E o outro, o baterista de Luísa. Fazendo cara (pelo menos tentando) de quem curte o som, com a baqueta na mão e fingindo tocar no prato. kkkk

Isso chamou minha atenção

Porta lado contrárioUma manhã qualquer a equipe de produção chega no estúdio e pensa: todo dia a mesma coisa. Gravando! Corta! Mesmos personagens, figurinos, cená… opa! O cenário podemos mudar. Que tal mudar a porta da casa de Vicente de lado? Ótima ideia. Puf! Feito. Simples assim. Quem nunca. Mas o pior de tudo é que tiveram a idéia e logo depois se arrependeram.  Porque quando Lígia chega a porta se abre para um lado e com Luísa que chega em seguida a porta se abre para o outro. Nota zero, produção.

Foto: Ellen Soares

Comentários

comentários

Um comentário em “O desenrolar da história”

  1. Muito legal achar seus textos na minha busca frenética por respostas para tantos erros de continuidade, tempo e alguns mais. Gosto muito de Sete Vidas e não perco um capítulo, mas confesso que os erros da novela muitas vezes me roubam a atenção do enredo. Principalmente a tal porta da casa do Vicente, temperamental e cheia de vontade própria que cada hora abre pra um lado diferente. Às vezes ela me dá medo. Mas também devo admitir que às vezes me pego ansiosa pensando “pra que lado a porta abrirá agora?” Hahaha… E o que dizer então da passagem de tempo? Quando Miguel apareceu se dispondo a doar, o médico disse que se tudo desse certo com os exames (como parece que deu) o transplante seria feito em uma semana, mas séculos depois ainda estava o Felipe deitado no leito do hospital e Miguel tomando cerveja. Ainda tem as gestações de Diana e Tals, e tudo mais… Não é pouca coisa pra quem acompanha mesmo. A sorte deles é que o enredo é gostoso e alguns personagens são mesmo apaixonantes.
    Enfim, só me resta tentar ignorar os erros ou, quando não conseguir, rir deles. Abraço
    Di

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *