Sacudindo as histórias

Vamos direto as Rapidinhas. Na correria dos desdobramentos.

  • E Pedro finalmente se deu conta que misturou as coisas. Vicente, Miguel, gravidez, Taís… tendo como pano de fundo as mentiras. Se perdeu de Júlia, como ele mesmo disse, e parou no tempo. Só que a vida da restauradora seguiu em frente. Agora ele vem com cara de cachorro triste para retomarem a partir do quarto de hotel onde transaram pela primeira vez? Não quero soar insensível, mas o mundo não dá pausa para a gente se reorganizar; então não é justo ele aparecer agora com esse papo. E pelo jeito não irá parar por aí. Marcará em cima. Até ter Júlia de volta e mais uma vez desestruturar a vida da garota. Ela não deveria ter um olhar tão compadecido. Afinal, ela sofreu muito e Pedro passou recibo de covarde. Não lutou por eles. Não cumpriu sua promessa. Ela pode ouvir, até chorar, mas espero que não passe uma borracha sobre a escolha que Pedro teve lá atrás.
  • Felipe mandou na lata: desleal. Se eu fosse ele quando Pedro disse “uma história não vivida. Abortada. E você sabia disso” diria: não vivida pela sua covardia. Quando você abriu mão dela sabia o que estava perdendo. Então siga seu caminho. 🙂
  • Eu acho que Júlia gosta de Felipe. De verdade. Mas aquela cena dele avançando nela para um fricote, e ela fazendo cara de paisagem… pensativa… oh my god!
  • Lígia não aprende. Mais uma vez vai curar sua miguelite com o remédio genérico Vicentol. Que tédio!
  • AR-RA-SA-DA por Irene. O que é isso, gente? O pior que Vicente tem razão. Não existe um culpado nessa história. E por ironia do destino, foi o acolhimento de Irene que despertou o lado maternal de Diana. Vai entender a vida. Agora é… agora é… nem sei o que esperar desse enrosco.
  • Na contagem regressiva para o retorno de Arthuzinho para casa da mamãe. 5, 4, 3…
  • Já deu para perceber que Luís está com os dois pés na relação. Já Isabel está com a ponta de um pé. Ô tadinho.
  • E o porre de Lauro? Passada! Ainda soltou os cachorros em cima de Lígia. kkkk
  • Será que Esther vai despertar uma luz em Eriberto quanto a Renan? Essa aproximação não será à toa.
  • Nunca reparei se Felipe já disse “eu te amo” para Júlia. Já?
  • Alguém me explica qual a necessidade de Virginia querer empurrar goela abaixo a papinha industrializada no pobre Leopoldo. Lembrando que a criança estava em sono profundo. Foi colocada no carrinho no susto. Coitado. Gente, tem coisa em novela que incomoda, viu? Custava a cena ser com elas conversando com o menino no colo? Como diz uma amiga, não sei pra que tem criança nessa novela. 🙂
  • Fiquei em cólicas quando Esther começou a falar sobre a história do surgimento da ONG. Pelo jeito o resultado dessa atitude não será (a princípio) saudável.
  • Já notaram quantas palavras bacanas a autora coloca em diálogos simples? Culpabilizar, equalizar, sincronicidade… adoro!
  • E cadê Miguel?! Volta, homem. Retoma sua história.

Agora é sentar e aguardar.

Foto: TV Globo

 

Comentários

comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *